O quase afastamento de Adriano Silva mostra a fragilidade política

Todo o processo que quase afastou Adriano Silva da Prefeitura de Joinville abre uma porta para futuras investidas da oposição, pois fica evidente que a base de apoio do prefeito na Câmara não é tão sólida assim.

Tirando os vereadores que não estavam presentes, o prefeito do Novo só conseguiu um voto a mais do que a oposição e isso coloca uma dúvida da força de Adriano Silva na cidade já visando as eleições de 2024, quando tentará a reeleição.

Ainda não há uma grande movimentação dos partidos em Joinville, mas é fato que o PL de Jorginho Mello, que já tentou levar Adriano Silva para seu partido, tem muito interesse em assumir a administração na cidade a partir de 2025.

O governador do Estado fez uma movimentação em Criciúma, conseguindo que o deputado federal Ricardo Guidi, hoje no PSD, aceitasse ser secretário do Meio Ambiente, que também mexeu na política de Joinville.

A partir de agosto o suplente de deputado federal Darci de Matos (PSD) é quem assume a cadeira de Guidi em Brasília e isso dará a Matos um protagonismo que não tinha antes.

Outro ponto importante na disputa de Joinville é que Kennedy Nunes, hoje no Detran, pode ser um belo cabo eleitoral de Darci nas eleições do ano que vem que também pode ter o apoio de Jorginho Mello, mas para isso teria também que trocar o PSD pelo PL.

Outro partido que também pretende ter candidato na disputar o cargo de prefeito de Joinville em 2024 é o MDB, que já teve o ex-governador Luiz Henrique da Silveira como o grande nome do partido na cidade.

O deputado estadual Fernando Krelling é o nome mais cotado para disputar as próximas eleições recebendo o apoio de correligionários, como o também deputado estadual Antídio Lunelli.

O fato é que Adriano Silva, mesmo com a força da sua administração, pode não ter apoio suficiente para lutar contra o candidato do governador ou mesmo contra candidatos do PSD e MDB, que podem estarem juntos numa única chapa.

Por não ter atingido a cláusula de barreira na eleição de 2022, o Novo não terá dinheiro do Fundo Eleitoral e também não terão tempo de TV, o que já coloca Adriano Silva em desvantagem.

Mas mesmo assim, o Novo vê no prefeito de Joinville como uma liderança forte em Santa Catarina e vai fazer de tudo para que ele seja reeleito em 2024 e as redes sociais serão a principal ferramenta para mostrar o trabalho feito nos últimos quatro anos.

Adicionar comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

Acompanhe

Entre em nosso grupo do Whatsapp e nos siga em nossas redes

Patrocinadores